Especialista fala porque o provedor deve se tornar um AS
quinta-feira, 15 de março de 2018


 No primeiro painel do iBusiness 2018, da tarde desta quinta-feira, 15, foi debatido o tema “A importância dos PTTs no Brasil e a importância do provedor se tornar um AS”. Antonio Moreiras, gerente de Projetos e Desenvolvimento do NIC-BR fez a palestra.

O diretor de Treinamentos da Redetelesul,  Gilmar dos Santos, foi o moderador do painel e Paulo Mucio, diretor de Produtos e Serviços, o debatedor. Antonio Moreiras é um dos responsáveis pela coordenação e operação do IX.br, que compreende dezenas de PTTs (Internet Exchanges) no Brasil e interconecta centenas de provedores de internet e outros sistemas autônomos. Moreiras também coordena oIPv6.

O palestrante explicou que a Anatel não regula a internet, mas as telecomunicações e tem poder fiscalizador. Por outro lado, o governo em conjunto com a sociedade civil, criou o Comitê Gestor da Internet  (CGi) formado por 21 pessoas, sendo 9 representantes do governo e 12 representantes da sociedade civil. O CGI.br tem a função de dar diretrizes para o desenvolvimento e funcionamento da Internet no Brasil.

“O Comitê Gestor criou o NIC.BR, Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, entidade privada sem fins de lucro. Nossa fonte de rendimentos vem “principalmente do registro de domínios”, frisou Moreiras. O palestrante também enfatizou que o protocolo de endereçamento IPv6 está crescendo em participação e que isso acontece em função das grandes operadoras de Telecom, principalmente Vivo e Net.

“Quando chegarmos em 80% de IPv6, todos vão começar a falar sobre desligar o IPv4”, alertou. Ele disse que está havendo um esgotamento de IPv4 e que possivelmente em 2019 acabará o estoque. “Se o provedor de internet não é um AS, não pediu IPv4, ele correrá o risco de só conseguir o IPv6”.

Sistema autônomo

O sistema autônomo (Autonomous System) é uma rede com uma gerência centralizada, tendo seu próprio bloco de endereços IPs e uma política própria de roteamento. Entre as vantagens do sistema, Moreiras disse que é possível ter redundância sem “gambiarra”.

“Se você é um provedor, eu diria que é essencial ser um autônomo para ter mais controle e qualidade sobre o que acontece em sua rede. Os custos foram reduzidos e há menos burocracia”, enfatizou o palestrante.

Moreiras explicou que somente os provedores que são Sistemas Autônomos é que podem acessar os PTTs (Pontos de Troca de Tráfego). O PTT é uma infraestrutura física que permite o trânsito de informações de internet entre provedores de acessos, redes acadêmicas, do governo ou de grandes empresas e que beneficiam os usuários.

O PTT permite que um participante se interligue a vários outros, reduzindo custos e aumentando a eficiência na troca de tráfego entre redes.  E não só redes de provedores de acesso podem ser Sistemas Autônomos, mas também redes de conteúdo, de bancos, grandes empresas, universidades, e governo, entre outros.

“A principal função dos PTTs é interligar as redes localmente, interligar o provedor com outro provedor. Não faz sentido pacotes de um usuário no Paraná, destinados a uma empresa também  no Paraná, irem para São Paulo e voltar. Sai caro. As conexões locais são importantes para que a internet seja mais resiliente, mais rápida e barata”, ressaltou Moreiras.

O palestrante disse que o PTT de Foz do Iguaçu ainda é pequeno (o de Curitiba é médio e o de São Paulo é grande). Segundo ele, para que o PTT de Foz do Iguaçu cresça é necessária a participação dos provedores locais.

Para finalizar, Moreiras deu três caminhos para que os provedores resolvam problemas como DDOS, Spam, roubo de dados IPs “sem gastar praticamente nada”. Segundo ele, com a solução o provedor protegerá a própria rede e a rede dos outros.

“Com as ações propostas, o provedor vai garantir que está anunciando no BGP só os seus blocos; vai prevenir que o usuário não consiga falsificar o endereço de IP e enviá-lo para fora da sua rede com endereço falsificado; e garantir que se alguém ver algum problema em sua rede, essa pessoa conseguirá falar com você.”

 


Fonte:
 
CONTATO

Deixe-nos uma mensagem

Nosso Endereço

Avenida duque de caxias, 882,
Zona 07, Maringá / PR
Edifício New Tower Plaza, torre I, 5º andar, sala 508
Cep; 87.020-025

(44) 3226-7114                                                               

Horário de Atendimento

Segunda a Sexta-feira: 08:00 às 17:00
2018 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por Grupo Mar Virtual